O pai e as viagens da filha

by - março 19, 2018


Estava eu a caminho do trabalho e a escrever uma mensagem ao meu pai quando me cruzo com ele na rua. Nem de propósito. "Oh, já que aqui estás, vamos tirar uma selfie que a foto que eu ia colocar não estava nada de especial."
Nunca fui muito menina do papá, mas herdei imenso deste senhor. A força para superar as dificuldades e, aquilo que mais me chateia, o feitio. Caramba, sou tão parecida a ele que até irrita. Lá temos as nossas desavenças, mas quem não tem? Fico-te grata por tudo pois se sou o que sou hoje, devo muito a ti. Não és pai só hoje. Sempre foste mesmo ainda antes de eu nascer e serás para sempre. 

Isto foi a mensagem que deixei no facebook e no instagram, mas tenho mais umas coisinhas a acrescentar. Hoje venho falar da relação que o meu pai tem com o facto de eu ser uma filha viajada. O meu pai tem algumas dificuldades em perceber o porquê de eu ter aquela ânsia e vontade de viajar. Ele é uma pessoa muito terra-a-terra e quem o tira do seu habitat natural - aka, Viseu - tira-lhe tudo. Longe vão os os tempos em que viajámos imenso até ao Algarve e poucas são as viagens que agora faz para fora do distrito de Viseu. O ano passado recebeu uma viagem ao Funchal e a Porto Santo, para ir visitar o meu irmão que estava lá a estagiar e não teve outro remédio senão ir. Com 64 anos, andou pela primeira vez de avião e de ferry mas jurou que nunca mais o iria fazer. Eu compreendo, teve uma educação diferente e nunca teve interesse em conhecer mais do que aquilo que já conhece. Talvez por isso é que lhe faça tanta confusão eu ter o bichinho das viagens no sangue. Benze-se de cada vez que eu digo que quero ir ao destino X ou Y e pergunta-me "mas não estás melhor aqui?" De todas as vezes eu dou-lhe o meu ponto de vista, ele diz "está bem", mas nunca está. No entanto, começo a achar que já está mais "liberal" neste campo e também já está habituado a que eu viaje. Sozinha. Acredito que não deva ser fácil para um pai saber que a sua filha anda em país estrangeiro e ainda por cima, sozinha. Mas, como eu já faço isto há alguns anos, ele acabou por se habituar de certa forma mas sei que, lá bem no fundo, ele continua a não compreender e não sei se algum dia irá.

You May Also Like

5 coments

  1. Lá está, educações diferentes. O meu pai é igual, sempre que falo em visitar x sítio ele torce o nariz e não compreende, mas pronto. Somos pessoas nascidas em épocas muito diferentes :)

    Achei a mensagem do dia do pai super amorosa :)

    ResponderEliminar
  2. Reconheço no teu pai, muitos traços dos meus pais. Habituados a uma vida, a uma visão, muito difícil de quebrar. No meu caso, quero ao máximo ajudar os meus pais a conhecerem novos lugares, já está na altura!! :)

    ResponderEliminar
  3. Eu não percebo são as pessoas que querem ficar no mesmo sítio, o meu pai é igual... cruzes!
    Já a minha mãe quer fazê-lo e alinhava comigo nas "viagens malucas", mas o meu pai arma logo discussão e acaba-se com os planos. Neste momento estou a tentar levar para o ano que vem, a malta toda lá de casa: pais, irmã e namorado aos Açores. Espero que tudo corra bem e finalmente consiga que a minha mãe e irmã andem de avião.

    ResponderEliminar
  4. É muito interessante o que partilhas. Durante estas duas semanas de viagem pelos países do leste europeu, dizia várias vezes ao meu filho que nós, pais, viajávamos com ele e a nossa filha, porque acreditamos que este é um modo de lhe alargar os horizontes e ele perceber que existem mil possibilidades à sua espera. Na aldeia da minha avó muitas pessoas houve que nunca estiveram na praia, fizeram férias ou saíram do país. Quando viajamos com os miúdos é um presente valioso que lhe oferecemos que pode mudar o modo de eles encararem a vida. Não quero com isto dizer que o teu pai, ou outras pessoas com as mesmas preferências que ele, sejam mais infelizes. São opções de vida, cada uma com as suas consequências específicas.

    ResponderEliminar
  5. O teu pai tem mesmo que se habituar porque parece que não vais mesmo ficar por aqui!
    Eu tenho a sorte de os meus pais me apoiarem sempre nas viagens que faço e entenderem que viajar só me faz bem. O meu pai, porém, é uma pessoa sem paciência nenhuma para viajar, quando vai para algum lado está sempre cheio de vontade de voltar para casa, mas sempre me deixou a mim e ao meu irmão aproveitar as oportunidades que tivemos para sair de casa e até do país :)

    ResponderEliminar